Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Um Produto Nacional.

Já todos devem ter percebido que eu até nem sou muito vaidosa mas adoro ter as minhas mãos bem arranjadas, não consigo viver sem verniz nas minhas unhas. Uma parte do corpo em que eu reparo sempre em todas as pessoas são as mãos e estas, no meu caso, também são o meu instrumento de trabalho. E as crianças reparam. A sério.

 

Sempre adorei os tons neutros, que vão desde o branco leite, tons rosa claro ou tons de areia. No entanto, um ia experimentei um tom escuro meio acastanhado e gostei imenso. Começou a moda do vermelho e, um dia, arrisquei pintar as unhas de um tom daquele. Quando olhei para as minhas mãos, estranhei, achei esquisito. O vermelho é assim: primeiro estranha-se, depois entranha-se e, por fim, nunca mais se quer outra cor. De ceretza que isto não se passou só comigo... :)

 

Como já tinha vários vermelhos da marca Risqué e apetecia-me mudar de cor, acabei por comprar um Rosa Fuschia da Yves Rocher que é um must have! Giro até mais não.

Um dia, cruzei-me não sei onde, com a marca portuguesa Cliché. Já conhecia a Andreia mas nunca sei onde está à venda. Encontrei-a apenas num sítio com cores que não me agradavam mas mesmo assim acabei por trazer um rosa muito clarinho semiopaco e que era muito giro se... não ficasse às riscas quando aplicamos! Ah e também não gosto do pincel que têm, para além do preço que paguei.

 

Voltando de novo à Cliché, acabei por encontrá-la à venda por 1 euro. Sim, isso mesmo, 1 euro. Além de barata não tem tolueno nem formaldeído. Em duas lojas diferentes, encontrei estes dois vernizes de que gosto muito: o Baby e o Êxito. São dois tons rosa completamente opostos: um é clarinho, ao tom da unha enquanto o outro é um magenta espectacular.

 

Vejam o resultado nas minhas unhas (é favor não reparas nas "imperfeições"):

 

 

 

 

Que acharam? São giros? Ficam bem? Cá está uma forma de ajudarmos o produto nacional: além de ficarmos lindas, contribuimos para o uso e divulgação de um produto nosso.

Proibição.

Estou proibida...

... de ler os vossos blogs antes de escrever um post no meu!

Recomendação médica (cof!cof!) para tratar a preguicite aguda para escrever e para tratar a desinspiração.

Tenho uma lista de assuntos para escrever posts mas a preguiça mental para organização do texto e depois a coincidência de tema nalguns blogs que leio, acabam por me desincentivar à escrita. É que é aborrecido para quem lê os mesmos blogs andar a ler sobre o mesmo tema numa camada de blogs, principalmente se forem temas do foro feminino...

{#emotions_dlg.blink}

É inspirador...

...ver o Peso Pesado. Para mim é. Eu, que sou uma pessoa com muito pouca força de vontade e motivação para dietas e exercício, sou levada a pensar que eu também sou capaz. Sou levada a pensar que também eu consigo fazer uma alimentação mais saudável e incluir algum exercício semanal - o ideal seria diário - na minha rotina.

 

E até confesso que sou tentada a voltar a fazer a minha reeducação alimentar (que ficou para trás há algum tempo por questões do foro emocional) e ficar à espera de ver os números da balança a diminuirem. Mas faltam-me a força, a coragem, a motivação e a força de vontade. Acho que este é um dos meus piores defeitos relacionados com esta área. Terei outros, naturalmente. Mas estes são completamente aniquiladores para a minha pessoa neste aspecto.

 

Alguém tem alguma fórmula que me faça ganhar estes requisitos que eu não possuo? {#emotions_dlg.blushed}

 

Aprendiz de ladrão.

Fui comprar uns legumes, aqui na mercearia ao lado, para fazer uma sopa.

enquanto eu andei a passear pelos diversos legumes expostos e a colocar nos sacos aqueles que pretendia levar, entrou uma cigana mas a sua penca de filhos.

 

Levei as minhas coisas para o balcão para serem pesadas. Durante a espera, reparei que, nas minhas costas, dois dos filhos da cigana, chegaram-se ao pé das nectarinas e pegaram cada um em sua e meteram no bolso. Como topei que o moço que me estava a anetndar, topou a coisa, não foi preciso alertá-lo. Mas enquanto isto tudo se passava, a mãe cigana conversava alegremente como "manobra de diversão" para o acto dos filhos.

 

Chegou a vez da cigana pagar a sua conta e o dono da mercearia disse-lhe que quantia tinha de pagar e depois acrescentou "ah e mais um euros do fruta dos miúdos". Bem o que é que ele foi dizer... A cigana desata a ofender o rapaz e a dizer que se o marido estivesse ali metia o seu pésnis (mas em forma de asneira) na boca dele e que ele lhe queria era lamber o sexo dela e coisas do género. E virando-se para nós, muito ofendida, ainda disse "são crianças, chegam ali e querem fruta e tiram..." como se isto tivesse algum sentido. Com grande paciência, o dono diz educadamente" mas a mãe tem que ensinar que não é assim...".

 

A sacana da cigana voltou a proferir impropérios e saiu a voar porta fora. De repente, volta para trás, tira mais uma nectarina que estava escondida entre ela e o bebé que trazia ao colo e atirou-a ao rapaz que me atendeu para depois voltar a sair a correr. Não lhe acertou por uma unha negra! O rapaz ficou danado e só não lhe acertou de volta porque ela desapareceu antes que desse tempo.

 

Mas esta cigana tem a mania que é tudo dela e do gamanço. Um dia destes estava ela no supermercadio aqui perto com o bebé. Já levava o biberão com água quente e assim que chegou à zona das papas e leites, abriu uma lata de leite, deitou para dentro do biberão que cmeçou a dar ao bebé ali mesmo, descaradamente.

 

Uma zona óptima, valorizada - que agora não tem qualquer valor -, tornou-se uma zona assim. Tenho muita pena mesmo.:(

 

 

A minha horta na varanda #1

Já há algum tempo (talvez dois ou três anos) que o meu N. decidiu tornar-se agricultor caseiro. a minha casa tem duas varandas, uma dela bastante grande, e tem sol de manhã de um lado e de tarde do outro. Portanto, é uma casa bastante soalheira.

 

A aventuras na agricultura já passaram por tomateiros, morangueiros, courgetes, alho francês, beringelas, pimentões, alfaces e ervas de aromáticas (salsa, hortelã, coentros e poejos).

Como não estamos sempre em nossa casa, e apesar dos sistemas de rega inventados (desde temporizadores a técnicas mais rudimentares), algumas das plantas não chegaram a crescer talvez por falta de rega. Não faço ideia, deixo isso para o agricultor lá de casa.

 

No entanto, já tive frutos que comi e digo-vos que eram uma delícia de tenros. Foi o caso das alfaces, micro tomates, pimentos e ervas aromáticas.

 

Como estão na moda as hortas em casa, decidi mostrar-vos a minha, que neste momento precisa de uma "organização". Ora espreitem lá as fotos:

 

 

Os meus pimentões ainda em planta,

 

Uma alface que está a sobreviver aos nossos dentes.

 

 

 

Umas couvezinhas (diz o N.).

 

 

Os meus poejos em flor...

 

Ainda há mais fotos de produções agrícolas mais antigas. Depois coloco aqui. e conforme estes forem frutificando, também vou mostrando. Que tal? :)

Oficialmente em férias e a viver do ar.

 

Estou oficialmente de férias forçadas. Este ano não fui convidada requisitada, pela companhia dos pinguins, para acompanhar as crianças à praia. Nem eu e nem a minha colega. Mas também ninguém nos deu qualquer justificação. "É a crise", alguém disse. Foi o dinheiro mal fgasto, digo eu.

 

Se não tivessem gasto trezentos e tal euros (vi eu, fora os que eu não vi) só em esferovite e outro materiais para fazer entrouxos (mamarrachos mesmo!) que se desmancharam completamente antes de chegarem ao palco da Festa Final, e outro tanto de dinheiro em flores, bugigangas e outros berloques, chegava para nos pagarem.

 

Precisamente por causa da crise, porque trabalhamos com recibos verdes e porque não recebemos subsídio de férias e nem ordenado este mês, o dinheiro teria sido muito melhor empregue em nós do que em coisas supérfluas apenas para realizar os caprichos de uma mente megalómana de uma pinguim louca.

 

Assim, recorreram aos poucos recursos da prata da casa (grátis) e de certeza que faziam falta mais duas pessoas. Isto só mesmo vindo de gente que "vive" num mundo infernal celestial e que não desce à terra para saber como é a realidade. E que acha que tudo o que se diz da vida real é mentira. Em suma, eu e a minha colega este mês vamos comer "ar", por isso, não se admirem se, quando nos virem, nos confundirem com alguma Top Model. É que vamos ficar tão elegantes, mas tão elegantes que até vai fazer impressão.

 

A coitada da minha colega/amiga é que ficou bem desanimada. Tem que ir sozinha, no meio de uma corja de auxiliares "bufas" e hipócritas mas cheias de sorrisinhos a ver se alguém diz mal de sua senhoria que é para depois lhe irem meter no backside.

O que nos safa nestas situações, são as crianças. Elas são sempre nossas amigas, brincamos com elas e fazem-nos também muita companhia. São elas que estão sempre ao nosso lado, no matter what.

 

Amiga, aguenta firme que eu estou aqui a enviar-te energias positivas e good vibes :))))

 

Pág. 2/2